sexta-feira, 11 de novembro de 2011


  Wellington Pedro/DivulgaçãoEm seus diálogos privados, Fernando Henrique Cardoso tem dedicado a Aécio Neves críticas ácidas.
Na opinião de FHC, o comportamento de Aécio é incompatível com o desejo dele de ser candidato à Presidência da República.
Presidente de honra do PSDB, FHC se queixa da “ausência” de Aécio na discussão sobre os temas mais relevantes. “Ele não dialoga com a nação”, resume.
Ao esmiuçar o raciocínio, FHC declara: não se trata de antecipar a campanha, mas de escolher um rol de assuntos e se apresentar para o debate.
FHC considera ultrapassada a estratégia de esperar que o calendário se aproxime do ano eleitoral para iniciar a exposição. É tática “velha”, eis a palavra que usou.
Insinua que, desde que se elegeu senador, no ano passado, Aécio enfurnou-se no Senado. O ideal, segundo diz, é que o presidenciável corresse o país.
Acha que Aécio deveria aproveitar a atmosfera de pré-campanha municipal para visitar os municípios com maior quantidade de eleitores.
Sintomaticamente, Aécio prepara um ciclo de viagens para o início de dezembro. Deve passar por Pernambuco no dia 8, pela Bahia no dia 9 e pelo Espírito Santo no dia 10.
De resto, Aécio articula com o aliado Sérgio Guerra, presidente do PSDB, uma agenda de viagens aos municípios onde o partido dispõe de candidatos bem postos.
Na opinião de FHC, deve-se sobretudo ao vazio proporcionado pela inação de Aécio a sobrevida da candidatura presidencial de José Serra.
FHC enxerga em Serra, por exemplo, credenciais para fazer incursões no debate sobre a degradação moral da política.
Costuma dizer que sempre houve corrupção na política. Mas acha que, agora, subverteu-se a ordem das coisas: há política na corrupção.
Dito de outro modo: hoje, a corrupção, por abundante, prevalece sobre a política, ofuscando-a. “O Serra é duro o bastante para romper com isso”, acredita.
O que se esconde sob os comentários de FHC é, em essencia, uma ponta de decepção com Aécio. 
Nas pegadas da derrota de Serra para Dilma Rousseff, na eleição presidencial do ano passado, FHC dissera que a fila do PSDB andara. Seria a vez de Aécio.
Daí o desapontamento. Na avaliação de FHC, Aécio desperdiça sua hora.

Escrito por Josias de Souza às 04h51


Um gole, um crime - Nova lei pegará 4 vezes mais motoristas em BH


Estado de Minas

Se o projeto já aprovado no Senado que aumenta o rigor da Lei Seca, passando a considerar crime dirigir sob efeito de qualquer quantidade de bebida alcoólica, for sancionado, quadruplicará o número de motoristas processados na capital. Atualmente, se o bafômetro aponta até 29 mg de álcool por litro de ar expelido, configura-se apenas infração. Por causa da margem de erro dos aparelhos, em Minas se adota o limite de 0,33 mg/l.

Desde junho, quando se apertou o cerco aos bebedores que dirigem, as blitzes em BH flagraram 183 motoristas acima desse limite. Eles estão respondendo criminalmente. No entanto, outros 543, que apresentaram níveis de álcool menores, sofreram apenas punições administrativas. Com a nova lei em vigor, todos os 726 condutores estariam enquadrados por crime de trânsito. As penas ficam mais severas, chegando a 16 anos de prisão.

Bares e restaurantes já preveem aumento de preço de pratos e tira-gostos para compensar queda de arrecadação com a provável redução da venda de bebidas. (Págs. 1, 19 e 21)